Baque solto e baque virado

Foto: Mazé Alves


Encontro de maracatus inédito em São Jorge

A festa dos maracatus no Encontro de Culturas teve início na tarde de sexta-feira, 31 de julho. Os grupos Maracatu Leão Coroado e Piaba de Ouro participaram de um cortejo que mostrou as diferenças entre o maracatu de baque virado e de baque solto. Em frente à Casa de Cultura Cavaleiro de Jorge, os instrumentos eram aquecidos. O forte barulho do tambor do Leão Coroado e da corneta do Piaba de Ouro fazia com que, aos poucos, as pessoas fossem se aproximando.


Maracatu Piaba de Ouro na quadra de São Jorge. Foto de Mazé Alves

Maracatu de baque solto e de maracatu de baque virado se revezavam, cada um com seu estilo. O Leão Coroado era comandado pelo mestre Afonso que, com seu apito, fazia a marcação para o fim de cada toada. O Piaba de Ouro, sob o comando do mestre Cleiton Salustiano, entoava versos que anunciavam a junção dos batuques. “É diferente, dois batuques num lugar / Quando se juntam, faz poeira levantar”, e assim começou o cortejo dos maracatus. Os grupos, acompanhados também pelos blocos de percussão Maria Bonita e Coró de Pau, além de uma multidão de moradores, turistas e outros artistas como Abu Bakr [link], passaram pelas ruas de São Jorge em direção ao palco, dando uma amostra do que seriam as apresentações de mais tarde.

Maracatu Leão Coroado

A festa dos maracatus continuou durante a noite no palco. O grupo Leão Coroado, com as cores vermelho e branco, se apresentou primeiro, sob o comando de mestre Afonso. “É um prazer participar desse evento que é de grande envergadura para nossa cultura”, disse ele dando início ao show.

Ao som do agogô, mineiro, caixa de guerra e das alfaias, as toadas eram cantadas, enquanto o cortejo tinha início na quadra, junto ao público. O rei, a rainha, os vassalos, baronesas e embaixatriz se apresentam em procissão, representanto um dos sentidos da festa do maracatu de baque virado, que é a coroação do rei e da rainha dos escravos.

O luxo da roupa dos personagens se contrasta com a simplicidade dos vassalos, que participam da procissão descalços, em uma crítica à Coroa Portuguesa. Além disso, uma boneca é carregada, vestida com roupa de seda, em homenagem aos ancestrais. A boneca do Leão Coroado se chama Dona Isabé, uma alusão à princesa Isabel.

A princesa também é citada em muitas das toadas feitas pelo grupo durante o show. “Como o maracatu foi fundado na escravidão e ela assinou a ‘falsa’ abolição, muitas toadas fazem homenagem a ela”, explica Mestre Afonso. “Onde vai dona Isabel, vou passear / Vou buscar ramo verde pra brincar / É pra brincar, é pra brincar / Vou buscar ramo verde pra brincar”.

A beleza das roupas e da apresentação encanta quem está assistindo e as toadas rapidamente são aprendidas e acompanhadas por todos. “Lanceiro novo eu sou de Minas Gerais / A licença foi tirada pelo barão de Caxangá”.

O maracatu feito pelo grupo Leão Coroado tem um grande vínculo com a religião e os orixás, já que nasceu em uma casa de candomblé. Por isso, hoje há mais grupos de baque solto que de baque virado. “Hoje as pessoas não querem sair no maracatu tradicional por preconceito ao candomblé, sendo que muitos deles são somente um grupo percussivo, durante o carnaval”, explica mestre Afonso.

Antes de terminar a apresentação, o Leão Coroado chamou ao palco os integrantes do Piaba de Ouro. “O mestre Salustiano que chegou na hora certa / Com seu Piaba de Ouro e o sonho da rabeca”. Os dois grupos se apresentaram juntos e os personagens do Piaba de Ouro entraram na quadra se misturando ao público. Era a vez deles tomarem conta da festa.

Maracatu Piaba de Ouro

Eram quase 22h quando os caboclos do Piaba de Ouro entraram na quadra e a orquestra se posicionou no palco. Rei, rainha, caboclos e mulheres roubaram a atenção do público com as cores fortes e vibrantes de suas fantasias. Mestre Cleiton Salustiano improvisava versos sobre o Encontro de Culturas e a Vila de São Jorge enquanto os músicos faziam a platéia pular ao som acelerado do maracatu de baque solto.

O grupo Piaba de Ouro foi criado em 1977, quando o mestre Salustiano, pai do mestre Cleiton, que morreu em agosto de 2008, se reuniu com amigos e formou o Maracatu. O nome é uma homenagem a um rio de Olinda, chamado Piaba de Ouro. Segundo mestre Cleiton, a idéia surgiu devido a outros maracatus de Pernambuco levarem nomes de animais. Quanto ao termo ‘baque solto”, o líder do grupo explicou: “O nome tradicional é maracatu rural, porque a origem é do engenho da cana”.

Existem dois tipos de caboclos no maracatu de baque solto: o caboclo de lança e o caboclo de pena. “A lança do caboclo representa o guerreiro do maracatu, é pra ele se defender nos confrontos maracatus. O caboclo que usa fantasia de pena é o índio que pede a paz no maracatu. O chocalho da fantasia é um aviso que o caboclo está passando ou chegando em cada povoado”, esclareceu mestre Cleiton.

Outra característica marcante do Piaba de Ouro é a presença de instrumentos de sopro. O grupo é um terno e o conjunto de músicos é chamado de orquestra justamente pelo trombone e pela corneta. Entre os instrumentos de percussão estão o tarol (ou caixa), surdo, ganzá, cocalhos, porca (cuíca), zabumba e gonguê. O mestre de apito completa o grupo. Outra diferenciação é que no maracatu rural o coro é exclusivamente feminino.

Os títulos de Rei e Rainha do Maracatu são dados, a cada ano, às pessoas dedicadas dentro do grupo. E as fantasias são feitas pelos próprios caboclos e mulheres . “A maioria é cada um que faz sua roupa, com o seu gosto de cor e de tecido. Cada um usa sua criatividade pra fazer o desenho da sua roupa”, disse mestre Cleiton.


Lia de Itamaracá: no palco com os Maracatus. Foto de Mazé Alves

Antes de encerrar sua apresentação, o grupo Piaba de Ouro convidou o Maracatu Leão Coroado para tocarem e cantarem juntos. Assim como no cortejo da tarde, os dois se reverazam e o público tentava acompanhar as duas batidas. O mestre Salustiano, criador do Piaba de Ouro, foi homenageado duarante a junção dos maracatus. Ao final, a cantora Lia de Itamaracá, responsável pelo encerramento da noite subiu ao palco para cantar com os dois maracatus.

Anúncios

Próximo post

Olá a todos! O próximo post é uma matéria que eu fiz com a Giovanna Beltrão sobre a apresentação dos maracatu Piaba de Ouro e Leão Coroado no Encontro de Culturas do ano passado. A Giovanna trabalhou no encontro desse ano de novo e tem vários textos novos no site também: http://www.encontrodecultruas.com.br